DESNUDANDO-ME EM PALÁVRAS

Ana Elizabeth Baade

Sou tao pele, que exacerba no intimo de mim,
a minha alma,
a vida que emana suavemente sobre mim
sai por todos os meus poros,
sou essencia e condeno-me a ser transparente,
a melodia que toca la no fundo do meu ser,
ecoa por todos os meus sentidos,
no meu olhar existe um brilho,
tao intenso....
que diz-me quem eu sou,
tento fugir de mim mesma,
mais pergunto-me,
para onde????
todos que veem-me conhecem-me
sou tao invisivel e contraditotia,
que eu sombra de mim,
sou sempre percebida e choro
lamento por ser nada alem de mim,........e.so choro.....


Ana Elizabeth Baade

Foto: Sou tao pele, que exacerba no intimo de mim,  a minha alma,  a vida que emana suavemente sobre mim  sai por todos os meus poros,  sou essencia e condeno-me a ser transparente,  a melodia que toca la no fundo do meu ser,  ecoa por todos os meus sentidos,  no meu olhar existe um brilho,  tao intenso....  que diz-me quem eu sou,  tento fugir de mim mesma,  mais pergunto-me,  para onde????  todos que veem-me conhecem-me  sou tao invisivel e contraditotia,  que eu sombra de mim,  sou sempre percebida e choro  lamento por ser nada alem de mim,........e.so choro.....      Ana Elizabeth Baade — com Neneka Elizabeth Carvalho e 50 outros.

talvez tenha sido 
apenas uma concidencia,
ou talvez a minha feita
seja so dolencia,
ou que se sabe 
existe uma fera dentro de mim,
que enjaulada grita,
um grito mudo,
num silencio agudo,
sinto-me presa , 
tal qual bicho acuado
sinto-me tao sozinha,
essa fera eh arisca,
morde porque precisa,
tal qual gente que pede,
que sonha,
sou a fera que existe em mim
que mera façanha,
viver sem querer,
talvez envergonha-se,
ou enfadonha-se
na hora da partida,
acostumada com a lida,
e na conquista da vida,
uma fera amedrontada,
e calda,
suspira.....
sao tantos planos,
tantos voos,
e ela so quer viver,
ela precisa viver.........


Ana Elizabeth Baade

Foto: talvez tenha sido   apenas uma concidencia,  ou talvez a minha feita  seja so dolencia,  ou que se sabe   existe uma fera dentro de mim,  que enjaulada grita,  um grito mudo,  num silencio agudo,  sinto-me presa ,   tal qual bicho acuado  sinto-me tao sozinha,  essa fera eh arisca,  morde porque precisa,  tal qual gente que pede,  que sonha,  sou a fera que existe em mim  que mera façanha,  viver sem querer,  talvez envergonha-se,  ou enfadonha-se  na hora da partida,  acostumada com a lida,  e na conquista da vida,  uma fera amedrontada,  e calda,  suspira.....  sao tantos planos,  tantos voos,  e ela so quer viver,  ela precisa viver.........      Ana Elizabeth Baade

Oh lua
deixa-me ser tua
vem comigo
vem pro teu abrigo
deixa-me viver
e ser so de voce,
oh lua
nao deixa-me
sem luz
ando
tao sozinha
vem ser so minha,
oh lua,
nao deixa-me vazia,
vem comigo
tira-me deste castigo,
oh lua
da-me tua paz
vem silenciosa
nao deixa-me pra tras.....
oh lua
faz de mim,
a tua liberdade
deixa-me ser 
a tua eternidade,
oh lua....
mostra-me
a felicidade...


Ana Elizabeth Baade

Foto: Oh lua  deixa-me ser tua  vem comigo  vem pro teu abrigo  deixa-me viver  e ser so de voce,  oh lua  nao deixa-me  sem luz  ando  tao sozinha  vem ser so minha,  oh lua,  nao deixa-me vazia,  vem comigo  tira-me deste castigo,  oh lua  da-me tua paz  vem silenciosa  nao deixa-me pra tras.....  oh lua  faz de mim,  a tua liberdade  deixa-me ser   a tua eternidade,  oh lua....  mostra-me  a felicidade...      Ana Elizabeth Baade

Esse teu jeitinho fagueiro,, que comete sorrisos em 
desalinho,
essa boca sinuosa que tira-me do chao, esse olhar tortuoso que deixa-me em brasa,...de onde tu vens, oh doce imagem do alem, de onde tu es,que nao das-me mais sossego,oh casta 
e intocavel lua, de onde tu vens... que de longe tanto admiro-te, e em meu sonho suspiro-te,, de onde tu vens oh doce pecado, que nao contas- me teus segredos, nem da-me teus beijos....oh imaculada lua, que para mim, apenas insinua-se,e que a mim arrebatas-me...tao sutilmente esse meu iludido coraçao.........quem es tu oh luar da paixao.......


Ana Elizabeth Baade

Foto: Esse teu jeitinho fagueiro,, que comete sorrisos em   desalinho,  essa boca sinuosa que tira-me do chao, esse olhar tortuoso que deixa-me em brasa,...de onde tu vens, oh doce imagem do alem, de onde tu es,que nao das-me mais sossego,oh casta e intocavel lua, de onde tu vens... que de longe tanto admiro-te, e em meu sonho suspiro-te,, de onde tu vens oh doce pecado, que nao contas- me teus segredos, nem da-me teus beijos....oh imaculada lua, que para mim, apenas insinua-se,e que a mim arrebatas-me...tao sutilmente esse meu iludido coraçao.........quem es tu oh luar da paixao.......      Ana Elizabeth Baade